segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Formação teórica ou prática ? Quando a habilidade se torna fundamental,mas sem perder de vista os conhecimentos teóricos .

Na manutenção de aeronaves é fundamental que o mecânico conheça os detalhes de cada componente e que tenha a noção sistêmica dos conjuntos destes, que são os responsáveis pelo funcionamento do avião. Para isso, é necessário que o mecânico tenha a formação teórica calçada nas diretrizes emitidas pelos fabricantes e autoridades aeronáuticas ,mas é de suma importância que junto com a teoria sejam desenvolvidas também as habilidades, que só é possível através das aulas práticas. Hoje há uma metodologia chamada de OJT (on the job training) ,que significa treinamento no local de trabalho, e tem surtido muito efeito. Há quem diga que com essa metodologia é possível reduzir a carga horária dos treinamentos teóricos,mas ressalto aqui que é muito preocupante quando se pensa em reduzir a teoria ao mínimo, pois o desequilíbrio destas cargas horárias podem fazer que na formação de mecânicos somente sejam levadas em consideração as habilidades e, isso, pode levar a um cenário de profissionais que não terão capacidade de raciocínio em determinadas situações por desconheceram a teoria, o que pode colocar em risco suas atividades e influenciar diretamente na segurança de voo. Quando negligenciamos a parte teórica em prol da prática, estamos influenciando diretamente no comportamento do profissional de manutenção e criando um profissional que terá plenas condições de resolver determinadas panes ,mas se for necessário uma análise crítica para a solução de uma pane mais complexa, a carência da teoria será sentida. Por isso, sou a favor de que a prática seja sempre aplicada a qualquer treinamento de manutenção , mas que seja de uma maneira proporcional que não cause um desequilíbrio. As escolas de formação de mecânico deveriam estruturar bons laboratórios de aulas práticas para que o aluno pudesse imediatamente, após aplicação de um conceito teórico, aplicá-lo na prática, para que se pudesse reter melhor o conhecimento e favorecer o desenvolvimento das habilidades necessárias. As empresas aéreas e as de manutenção devem rever os seus programas de treinamento e adotarem uma formatação que seja mais abrangente, que proporcione a formação integral do mecânico e não leve em consideração somente a parte técnica, mas também os aspectos comportamentais. Hoje temos no mercado um treinamento chamado de "fatores humanos na manutenção", exigido por diversas autoridades aeronáuticas no mundo e que visa estimular a mudança comportamental, não só do mecânico como também das chefias e da organização.