terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Empreendedorismo para Jovens na Aviação Civil

O mundo passa por transformações constantes e por esse motivo está sempre em evolução. As pessoas também evoluem, mas sempre enfrentando desafios. Os jovens de hoje serão os gestores de amanhã e os prováveis responsáveis pelas mudanças futuras. Ser empreendedor é uma necessidade para enfrentar as barreiras de um mundo que vem pela frente.
O mercado de trabalho está se transformando e as relações econômicas também. O empreendedorismo nas escolas irá auxiliar os jovens no processo evolutivo dos sonhos à realidade e construir uma seara de progresso não só para o país , mas também será o alicerce para um mundo mais desenvolvido e criativo.
Estimular o empreendedor que há dentro de cada um é mais que um dever dos educadores e formadores, é acima de tudo uma missão de construir um novo tempo. No campo da aviação civil isto se torna algo vital. O empreendedorismo nessa atividade é de suma importância para o crescimento econômico e sustentável de nosso setor. Carecemos de instituições que estimulem os jovens a se enveredarem pelos caminhos da aviação trazendo idéias inovadoras que desenvolvam um padrão próprio ou modelo de gestão de empresas aéreas, de manutenção e de serviços para que o mundo venha a conhecer o nosso valor enquanto setor de aviação.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

A Logística na Manutenção de Aeronaves


As companhias aéreas precisam ter um controle eficiente na execução do plano de manutenção de suas aeronaves no que se refere aos prazos estabelecidos pelos fabricantes. De um modo geral a manutenção de aeronaves se divide em duas etapas : manutenção preventiva e manutenção corretiva. Uma etapa se refere a manutenção voltada para a prevenção, a conservação do bom funcionamento da aeronave e é responsável por uma grande parte do custo operacional de uma empresa aérea. A outra etapa é voltado para a eliminação de falhas ocorridas nos sistemas ou na estrutura da aeronave. Geralmente se torna muito onerosa , pois em alguns casos a correção a ser feita é bem mais dispendiosa em relação ao custo da manutenção preventiva. Muitas vezes a empresa gasta muito com a manutenção preventiva , mas evita que a aeronave venha a ficar parada por vários dias ou até mesmo semanas em decorrência de uma falha mecânica por falta de manutenção. Quando isso ocorre , o prejuízo embutido para a companhia é impressionante.
Grande parte das companhias aéreas possui sua própria equipe de manutenção e até hangares para a realização de tarefas da manutenção preventiva. Mas outras companhias de menor porte só possuem um quadro de mecânicos para atender à manutenção corretiva e atuam somente na chamada manutenção de “ Pista” efetuando correções durante a parada da aeronave nos aeroportos entre um vôo e outro. Então como fazem a manutenção preventiva ? Bom , algumas empresas mandam suas aeronaves para as empresa de manutenção de aeronaves homologadas pela autoridade aeronáutica. Hoje existem muitas empresas de manutenção espalhadas pelo mundo. No Brasil temos a VEM (TAP M.E Brasil), a DIGEX, a TAM entre outras que atuam nessa área e que fornecem excelente serviços para as empresas de aviação. O mais importante é que as empresas aéreas tenham uma boa administração do plano de manutenção de cada aeronave fazendo as revisões dentro do que está previsto nesse documento.

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Avião Pousa no Mar da Austrália


Mais uma aeronave em situação de emergência realizou um pouso forçado sobre as águas. Desta vez o fato aconteceu na Austrália em pleno mar no litoral da cidade de Darwin. O piloto Steve Bolle conseguiu aterrisar o avião de pequeno porte e salvar a vida dele e de cinco passageiros. Logo após a decolagem a aeronave perdeu potência e o piloto se viu obrigado a efetuar essa manobra.
Fatos iguais a esses não são tão raros assim. Ao longo da história da aviação muitos casos já foram registrados embora muitos com finais nada felizes. Um dos casos mais famosos de pouso bem sucedido no mar aconteceu com uma aeronave da VARIG no ano de 1957, no mar do Caribe, próximo a cidade de Trujillo (hoje Santo Domingo)na República Dominicana. Uma aeronave modelo Super G-Constellation com quatro motores, fazia o Vôo 850 proveniente do Rio de Janeiro com destino a Cidade de New York, quando uma série de problemas técnicos ocorreram com os motores fazendo com que, a aeronave, ficasse com somente um motor operando. Mediante essa situação o Cmte Geraldo Knippling se viu forçado a tomar a decisão de pousar sua aeronave nas águas do oceano. Diga-se de passagem foi um pouso não tão tranqüilo assim , mas conseguiu salvar a maioria das pessoas a bordo. Este caso é mais detalhado no livro “Falando de Avião” , da Editora Gráfica Metrópole e de autoria do próprio Comandante do Vôo.
Outros casos tiveram um final trágico como o do B767 que por falta de combustível após sequestradores desviarem a aeronave de sua rota obrigou o piloto a pousar a aeronave no mar , mas sem operação dos motores a dificuldade para controlar a aeronave se torna muito grande e a aeronave acabou se espatifando na superfície do oceano se desintegrando e matando muitos passageiros .
O fato é que esses pousos sobre as águas são previstos para uma situação de emergência e se uma tripulação competente e bem treinada estiver a bordo o pouso tem grande chances de acabar bem como a que ocorreu na Austrália.
Foto: http://www.g1.globo.com